Nem Sissi nem a Irmandade Muçulmana podem solucionar os problemas do Egito

Gabriel Huland

No Cairo ainda se respira revolução. Já no caminho do aeroporto ao centro, vemos um belíssimo grafite com um soldado empunhando a bandeira egípcia e liderando as massas com uma postura heroica. O espírito da revolução de Tahrir é tão forte que o exército faz todo o possível para apropriar-se dele. Os políticos falam frequentemente da revolução e tentam vincular as aspirações do povo com as suas. No centro, na rua Mohamad Mahmoud, que liga a praça Tahrir ao palácio Abdeen, onde vivia o Rei Farouk, destronado em 1952 pelo Movimento dos Jovens Oficiais, podemos ver murais com os mártires ou algum símbolo da revolução.

Desemprego, privações e miséria

Um simples passeio pelos arredores de Tahrir é suficiente para descobrir que os problemas mais latentes da população não foram resolvidos nem por nenhum governo militar, nem por Morsi, da Irmandade Muçulmana (IM). Pobreza, desemprego e serviços públicos precários saltam à vista.

A metade dos jovens entre 18 e 29 anos são pobres (10 milhões) e 30% está desempregada[1]. Os hospitais públicos se encontram em situação precária e o salario mínimo, que apenas vale para os funcionários públicos, é de escassos 172 dólares[2]. O índice de desnutrição juvenil é um dos mais altos do planeta e o trabalho infantil é visível nas ruas. Segundo um taxista citado no livro Taxi, de Khaled al-Khamissi, 10% das crianças da cidade de Port Said padece de retardo mental causado pela desnutrição. Os companheiros do Sindicato dos Professores do Egito denunciam que em algumas salas de aula há mais de 100 alunos e que a maioria dos professores só consegue chegar ao fim do mês com a ajuda do estendido sistema de classes complementares privadas.

Um estrangeiro que não domina o árabe tem um contato especial com um segmento da classe trabalhadora egípcia muito importante: os taxistas. No caótico trânsito da Pérola do Deserto circulam diariamente mais de 80 mil taxis. A maioria dos motoristas não é proprietário do táxi que dirige e sobrevive daquilo que ganha durante o dia. A comida da noite depende do que entra durante o dia. Além do mais, outro problema se somou ao cotidiano do cairota. Os cortes de energia. Em algumas zonas podem chegar a seis diariamente.

Uma crise energética assola o país há mais de um ano e o marechal Abdel Fatah el-Sissi, eleito recentemente numas eleições marcadas pela repressão e pela abstenção, não deu sinais de poder resolvê-la. Anunciou a negociação de um empréstimo dos Emirados Árabes no valor de U$80 bilhões que se destinaria a comprar energia dos países vizinhos. Mesmo se for concretizado nem de longe resolverá a situação. O problema é que o Egito simplesmente não tem condições de pagar os próximos vencimentos da dívida externa, e os credores internacionais (com o FMI à frente) exigem “ajustes estruturais” para fazer novos emprestamos. Como se os trabalhadores egípcios já não vivessem na mais brutal austeridade. Além da shisha, uma verdadeira paixão de massas, e o futebol, a maioria da população não tem acesso praticamente nenhum à atividades de ócio e culturais.

Uma nova rebelião está se gestando

Os ares da revolução se respiram principalmente quando conversamos com os ativistas que participaram das massivas mobilizações dos últimos anos. Mobilizações que culminaram primeiro na queda de Mubarak e depois na de Morsi (destituído pelos militares após multitudinárias manifestações em junho de 2013). Para Fatma Ramadán[3], a população está esperando para ver o que fará o novo governo, no entanto a insatisfação é grande. “Agora é momento de esperar, porque o governo está reprimindo duramente qualquer oposição, mas esta situação não durará por muito mais tempo. Vai haver uma nova explosão.” Esta mulher negra e socialista é uma das principais vozes da Federação de Sindicatos Independentes do Egito. A entidade representa mais de um milhão de trabalhadores e está em contato com as principais lutas do país. “Os trabalhadores de varias fábricas de tijolos (cerca de 40.000 pessoas) estão em greve por melhores salários e direitos trabalhistas. Estamos fazendo um grande esforço para unificar as lutas nas distintas empresas.”

Uma questão que preocupa a todos é a brutal repressão por parte do governo. Além da lei antiterrorista (dirigida principalmente, mas não apenas, contra a Irmandade), está em vigor também uma lei antiprotestos que proíbe qualquer manifestação que não conte com a autorização das forças de segurança. Uma concentração de mais de dez pessoas já é considerado ilegal. Recentemente, o presidente da Universidade do Cairo declarou a intenção de proibir qualquer atividade política que “perturbe a vida académica”.

Kareem Taha, da juventude do Movimento 6 de Abril, afirmou que estão previstas lutas em setembro contra a saída da prisão de Hosni Mubarak, que governou o país por mais de 30 anos e é acusado de ordenar o ataque contra manifestantes na praça Tahrir que resultou em inúmeros mortos. Também está em curso uma campanha pela libertação dos presos políticos que foram detidos em sua maioria por organizar manifestações pacíficas sem o consentimento das autoridades. Mahenour al-Masri (ativista de direitos humanos e militante da organização Socialistas Revolucionários), Ahmed Maher (fundador do M6A) e Sanaa Abdel Fatah, filha do recentemente falecido ativista Ahmed Seif al-Islam. Este importante advogado de direitos humanos, um dos primeiros em defender opositores ao regime de Mubarak, era o defensor de muitos deles. Seu outro filho Alaa também estava detido e foi solto recentemente.

Sissi tenta passar uma imagem de salvador nacional à la Nasser. Foi a Meca e fez o ritual do Umrah (muito importante na cultura muçulmana); se reuniu com o rei saudita Abdullah e com o presidente russo Vladimir Putin, e há algumas semanas anunciou a ampliação do Canal de Suez. Estas iniciativas podem lhe dar algum tempo, mas a realidade é que ainda não foi capaz de apresentar um plano de governo capaz de resolver os problemas estruturais vividos no Egito. Sua postura durante a última ofensiva sionista em Gaza foi vergonhosa. Fechou a fronteira de Rafah e não permitiu o envio de ajuda humanitária nem a entrada de ativistas, sempre com a alegação de que não queria contribuir com o tráfico de armas que cairiam nas mãos do Hamas. Tampouco autorizou manifestações pacíficas no Cairo contra o massacre israelense.

Duras batalhas estão por vir. O povo egípcio já demonstrou que é capaz de vencer. Mubarak governou por 30 anos e foi obrigado a renunciar em 13 dias. Morsi teve um ano e como nada mudou os trabalhadores saíram às ruas uma vez mais para derrubá-lo. O exército se aproveitou do movimento e aparece agora como defensor da revolução, mas a situação não mudará substancialmente e a população não está disposta a esperar por muito mais tempo. Já não tem nada a perder. O tique taque do relógio começou. Veremos quanto tempo transcorrerá até o próximo capítulo da revolução egípcia.

 


[1] A população total do país é de 82 milhões. O total da força de trabalho, segundo o órgão de estatísticas do Egito, é de aproximadamente 30 milhões de pessoas.

[2] O salário mínimo é de LE 1,200 e apenas 5 milhões (18% da força de trabalho), dos cerca de 7 milhões de servidores públicos o recebem. A maioria dos trabalhadores ganha menos que o salário mínimo, entre LE 300 e LE 600. O quilo da carne custa aproximadamente LE80.

[3] Fatma Ramadán participa de um grupo político de tradição trotsquista chamado Hamassin, que se origina de uma divisão do grupo Socialistas Revolucionários, seção egípcia da corrente internacional IST.

[email protected] [email protected]