Marxismo & Ciência

O martelo da História

21 de março de 2016

Valerio Arcary  | Já se disse que as próximas revoluções serão sempre mais difíceis que as últimas, porque a contra-revolução aprende depressa. A contra-revolução burguesa foi um dos fenômenos chave do século XX. As revoluções contemporâneas manifestam-se como revoluções na esfera nacional. Mas esta aparência é uma ilusão de ótica que remete à centralidade da luta política imediata contra o Estado. As revoluções do século XX se inseriram em ondas regionais ou [...]

O que é Evolução?

21 de março de 2016

Não deixem de acompanhar a palestra do cientista Bernardo Boris Vargafig sobre a evolução biológica no Sindicato dos Metroviários, dia 23 de março as 19h, na rua Japi, No [...]

Teoria do valor e economia mundial – A hipótese do bloqueio

18 de março de 2016

Patrick Galba de Paula*  | Por que a economia mundial assumiu a sua forma estratificada atual? O que explica as diferenças econômicas entre os países e regiões do mundo? O que é o subdesenvolvimento? E a globalização e o imperialismo? É possível analisar estas questões partindo da teoria social de Marx expressa em O Capital? Neste texto trataremos a última questão, como requisito para o tratamento das anteriores, buscando analisar em que condições e de que forma a constituição [...]

George Novack e o método do programa de transição

29 de fevereiro de 2016

Renato César Fernandes  |  Comparei o programa a uma caixa de ferramentas variada e a utilizamos tal como emprega um bom artesão. Se há que realizar algum trabalho determinado, busca na caixa a ferramenta mais conveniente para esse trabalho particular. Retiremos do Programa de Transição o mais adequado e apropriado ao nível de desenvolvimento do movimento de massas, de sua consciência, de sua disposição para assumir este ou aquele elemento do programa. E se não contém o elemento [...]

Marx e a crítica da autonomia da consciência

24 de fevereiro de 2016

Ana Godoi  |   “Contudo, os processos que ocorrem na consciência das massas não são nem autônomos nem independentes. Independente da ira dos idealistas e ecléticos, a consciência é, todavia, determinada pelas circunstâncias. Nas condições históricas que formaram a Rússia, sua economia, suas classes, seu Estado, na ação de outros estados sobre ela, devemos ser capazes de encontrar as premissas tanto da Revolução de Fevereiro quanto da de Outubro, que a substituiu. [...]

Inverno russo de 1993: crônicas da contrarrevolução

5 de fevereiro de 2016

Henrique Carneiro | Cheguei a Moscou, em 18 de setembro de 1993, para cursar introdução à língua russa no Instituto Pushkin. Terminei o primeiro semestre letivo, obtive um certificado e retornei, em 3 de fevereiro de 1994, ao Brasil. Passei pouco mais de quatro meses durante um dos períodos mais decisivos, dramáticos e sangrentos da história contemporânea russa. Vivenciei o último capítulo do processo de colapso da URSS e da transição para a formação da Rússia e dos demais 14 [...]

As categorias fenômeno-essência na explicitação do Capital

3 de fevereiro de 2016

Frederico Costa  |   O fenômeno não é radicalmente diferente da essência, e a essência não é  uma realidade pertencente a uma ordem diversa da do fenômeno[…]  Captar o fenômeno de determinada coisa significa indagar e descrever como a coisa em si se manifesta naquele fenômeno, e como ao mesmo tempo nele se esconde. Compreender o fenômeno é atingir a essência. Karel Kosik   O senso comum, sob a divisão do trabalho típica do regime capitalista, procura [...]

O tortuoso caminho do Manifesto Comunista à Internacional

22 de janeiro de 2016

Yuri Lueska  | Em 1864, ao redigir a Mensagem Inaugural da Associação Internacional dos Trabalhadores Marx imprime um programa distinto, no seu conteúdo, do que escrevera em 1848 no Manifesto Comunista. Parte das conclusões conhecidas unanimemente como parte do programa inicial marxista estão ausentes no primeiro passo dado por Marx na AIT. Qual são os motivos do retrocesso programático da Internacional em relação a Liga dos Comunistas? O ensaio a seguir visa adentrar neste tema [...]

Democracia sem centralismo não tem nada a ver com o bolchevismo

17 de janeiro de 2016

Francesco Ricci  | A história do movimento operário revolucionário desde os dias da Iª Internacional é uma crônica ininterrupta de tentativas de grupos e tendências pequeno-burguesas, de todo tipo, de realizar ataques furiosos contra os “métodos organizativos” dos marxistas, para recompensar a si mesmos por suas debilidades teóricas e políticas. Sob o rótulo dos métodos organizativos eles incluem tudo, desde o conceito de centralismo revolucionário até assuntos de rotina [...]

Restauração capitalista e as experiencias da classe operária no leste

15 de janeiro de 2016

Aldo Cordeiro Sauda  | Operário metalúrgico na Hungria, operário borracheiro e operador de fornos em Moscou e operário moveleiro no circulo ártico da Rússia. Foi pelo método da proletarização no leste europeu e na antiga União Soviética que Michael Burawoy, principal referencia contemporânea da sociologia marxista de língua inglesa, estudou o processo de restauração capitalista nos antigos estados operários. Professor na Universidade de Berkeley, na Califórnia, Burawoy esteve [...]
1 2 3 4 5 6 18
[email protected] westfield_lucinda