Arte & Cultura

John Lennon: a trajetória política de um beatle de esquerda (Parte 1)

15 de janeiro de 2013

Romulo Mattos No início dos anos 1970, John Lennon acentuou a sua atuação política e impressionou integrantes da Nova Esquerda inglesa, até então reticentes em relação ao artista, que vacilara diante do panorama revolucionário de 1968. Chama atenção uma foto em que o compositor aparece lendo o jornal trotskista Red Mole, para o qual os historiadores e ativistas políticos Tariq Ali e Robin Blackburn  o entrevistaram, em 1971. Antes de abordarmos essa entrevista, analisaremos a [...]

Um filme, uma questão: o “No” a Pinochet

10 de janeiro de 2013

Rejane Carolina Hoeveler O recente filme de Pablo Larraín, “No”, despertou reflexões e controvérsias desde sua estreia em dezembro de 2012. O assunto é o plebiscito realizado no Chile em 1988, convocado pelo ditador Augusto Pinochet, que decidiu sobre a continuidade do mesmo no poder, e que acabou se transformando num episódio central da transição chilena da ditadura ao atual modelo democrático. Só por ter reacendido esta discussão, a película já tem seu mérito garantido, além [...]

Rodchenko, Lilia e o Cartaz Livros!

7 de janeiro de 2013

Beto della Santa Rodchenko (1891-1956) Alexander Mikhailovich Rodchenko (1891-1956) – artista visual, fotógrafo, escultor, realizador cinematográfico, agitprop e precursor expoente do assim-chamado design – pode ser considerado, junto a companheiros de jornada simbólica tais como Vladimir Maiakóvski, Dziga Vertov e outros, dentre os mais versáteis artistas totais que a primavera social e política da Revolução dos Soviets fez florescer no terreno fértil duma nova cultura socialista. [...]

Por que somos ateus?

27 de dezembro de 2012

Henrique Carneiro A idéia de deus, desde o surgimento do Estado, tornou-se o fundamento do poder. A palavra “hierarquia” significa, nos seus radicais gregos hieros e arquê, “poder do sagrado”. Os sacerdotes foram os primeiros agentes do aparelho coercitivo do Estado. Duvidar dos deuses, portanto, sempre foi, na história das civilizações, um crime contra o Estado. Por isso, o ateísmo sempre foi uma doutrina clandestina, perseguida, denunciada, estigmatizada, e seus porta-vozes [...]

Editora Sundermann lança novo livro de Edmundo Fernandes Dias

20 de dezembro de 2012

Frederico José Falcão Edmundo F. Dias é um autor capaz de, em suas muitas obras teórico-políticas, articular um profundo rigor acadêmico a uma pedagógica preocupação com o enfrentamento das questões colocadas pela realidade. Como militante das causas dos trabalhadores e, em suas palavras, dos subalternos, sempre se dedicou a buscar o entendimento das diferentes manifestações do sistema do capital em sua totalidade. Nesse seu novo livro, que a editora Sundermann ora traz à luz, [...]

Há uma gota de romantismo revolucionário em cada obra de Oscar Niemeyer

10 de dezembro de 2012

Fábio Fernandes Villela Diante do falecimento do mestre que conquistou corações e mentes para a arquitetura no século XX, me vem à memória um poema de Mario de Andrade intitulado: “Há uma gota de sangue em cada poema”, de 1917. Ouso afirmar, parafraseando o pai do modernismo brasileiro, que há uma gota de romantismo revolucionário em cada obra de Oscar Niemeyer. Em cada obra do mestre há uma comprovação das teses sobre a “liberdade para a arte” proposta por Trotsky e Breton [...]

Infância clandestina: um olhar engajado

10 de dezembro de 2012

Rejane Carolina Hoeveler Poderia ser só mais um filme sobre “o olhar infantil” ou “a perda da inocência” perante uma ditadura. Mas Infância Clandestina vai um pouco além de seus similares, como o excelente Machuca (Andrés Wood, 2004), e é mais politizado, por exemplo, que o brasileiro O ano em que meus pais saíram de férias (Cao Hamburger, 2006), a começar pelo fato de ser explicitamente engajado. Embora o tema central ainda seja o da vivência psicológica de uma criança [...]

Looking for Eric ou “Com uma Pequena Ajuda de Meus Amigos”

4 de dezembro de 2012

Betto della Santa “É, é rir para não chorar” (Sabedoria Popular Caiçara) “Would you need anybody?” (The Beattles apud Joe Cocker) Ken Loach já de-há quasi-meio século persiste no meio de vida –e no modo de luta– do intransigente compromisso de refletir criticamente, através dum viril cinema socialista, sobre a experiência vivida da classe trabalhadora. (Primeiramente do Reino Unido e, a posteriori, de todos os países.) Não tão-só a incansável batalha pela [...]

Notas sobre The Times They Are a-Changin’, de Bob Dylan

19 de novembro de 2012

Romulo Costa Mattos Em outubro de 1963, Bob Dylan gravou The Times They Are a-Changin’, faixa título do disco lançado em janeiro de 1964, nos EUA. A intenção do compositor era fazer um hino para as transformações históricas quem vinham ocorrendo no mundo e, particularmente, nos EUA. Nesse país, o movimento pelos direitos civis dos negros ganhava intensidade até então inédita, ao qual aderiram os músicos ligados ao estilo folk, principalmente. Ao lado do referido cantor, [...]
1 8 9 10
[email protected]