As origens da Grécia contemporânea

image_pdfimage_print

Henrique Carneiro

A Grécia viveu, no século XIX, uma das grandes lutas nacionais de independência que empolgou não apenas os gregos, mas espalhou uma onda de solidariedade europeia.

Durante cerca de quatro séculos, a Grécia foi ocupada pelo império turco otomano, assim como toda a península balcânica. A partir de 1821, a guerra de independência grega se tornou uma causa romântica na Europa, em que se via como uma missão a libertação do berço da civilização ocidental, mas a identidade helênica estava muito mais identificada, no entanto, com a religião ortodoxa e o período medieval bizantino do que com a Grécia clássica. Lord Byron, o grande poeta inglês, foi o mais conhecido dos que foram ajudar a causa grega no próprio país, onde ele terminou por morrer de uma enfermidade durante o cerco de Missolonghi, em 1824. O pintor Delacroix, o maior representante do romantismo e autor do famoso quadro A liberdade guiando o povo, sobre a revolução de 1830 na França, também fez diversos quadros filo-helênicos, em especial um sobre o massacre de 1822 em Quios. Como escreveu Eric Hobsbawm:

Só uma das revoluções de 1820-2 manteve-se, graças em parte ao seu sucesso em desencadear uma genuína insurreição do povo, e em parte a uma situação diplomática favorável: o levante grego de 1821. A Grécia, portanto, tornou-se a inspiração para o liberalismo internacional e o “filo-helenismo”, que incluía o apoio organizado aos gregos e a partida de inúmeros combatentes voluntários, desempenhou, em relação à esquerda europeia na década de 1820, um papel análogo ao que a República Espanhola viria a desempenhar no fim da década de 1930[1].

A revolução grega (Elliniki Epanastasi Ελληνική Επανάσταση) de 1821 foi dirigida pela Philiké Hetairía (Φιλική Εταιρεία), a “Sociedade dos Amigos”, uma organização secreta patriótica fundada em Odessa, na Rússia, de influência carbonária. Com apoio de camponeses e de bandoleiros populares, sob a chefia militar de Theodore Kolokotronis, conseguiu produzir uma insurreição armada em vários pontos dos Balcãs e no Peloponeso que foi, no entanto, duramente reprimida por tropas turcas e também egípcias. As três potências europeias, Grã-Bretanha, França e Rússia, intervieram então com uma frota naval que derrotou os otomanos e egípcios em Navarino (Pylos), em 1827.

A independência grega foi o primeiro despertar de uma nacionalidade oprimida na Europa Oriental, desencadeando uma onda de movimentos de emancipação, dos Balcãs à Polônia. O Iluminismo grego (Diafotismos Διαφωτισμός) se insurgiu contra o despotismo otomano e buscou criar uma nova língua grega erudita “pura” (Katarevoussa Καθαρεύουσα), mas foi o grego do povo, o demótico (dimotiki δημοτική), que acabou prevalecendo. Ao proclamar-se como nação, a Grécia, em 1832, tinha 800 mil habitantes, mas havia ainda 2,5 milhões de gregos vivendo no Império Otomano, o que vai levar ao projeto da “Grande Ideia” (Megáli Idéa Μεγάλη Ιδέα), que era a unificação de todos os gregos num só país, com um forte elemento de nostalgia restauracionista da grandeza perdida do Império Bizantino.

A revolução grega, num período de reação europeia geral após o resultado do Congresso de Viena de 1815, em que a chamada Santa Aliança acreditava ter restaurado a ordem e o antigo regime no continente, após a onda revolucionária francesa, surgiu como o maior causa da liberdade, empolgando uma geração com a esperança de um movimento vitorioso de emancipação nacional e popular.

 A Grécia e os imperialismos

A Rússia era a potência com maior ascendência sobre a Grécia. Além de adaptar o alfabeto, os russos partilharam da herança do cristianismo ortodoxo. O grego de Corfu, Ioannis Kapodistrias, deixou os treze anos a serviço da diplomacia russa, tendo sido ministro das Relações Exteriores do Czar Alexandre I, para chefiar o novo estado grego, por decisão da Assembleia Nacional, a partir de maio 1827.

O helenismo abriu caminho para o pan-eslavismo, o eslavismo do sul como se chamou depois. A revolução grega começou nos principados danubianos da Moldávia e da Valáquia, se expandiu no Peloponeso e abriu caminho para as independências posteriores dos países balcânicos.

Com a vitória da independência, após um breve governo de Kapodistrias, assassinado em 1931, os grandes reinos da Europa da restauração monárquica encerraram a curta experiência republicana grega, a sua primeira República, que foi substituída por um Reino da Grécia, com um príncipe alemão, o Rei Otto Friedrich Ludwig da Baviera, da dinastia Wittelsbach, conforme determinado pela Conferência de Londres, de 1832, em que a Rússia, a Grã-Bretanha e a França se impuseram como “potências protetoras” da Grécia, mas sob a condição de nenhuma delas governar diretamente, daí a busca por príncipes estrangeiros.

Um detalhe curioso é que essa coroa também foi oferecida a ninguém menos que o nosso D. Pedro I, que ao invés de imperador frustrado do Brasil e rei também mal sucedido em Portugal, poderia ter sido o rei da Grécia[2].

A relação de tutela germânica sobre a Grécia se constitui, assim, numa raiz da constituição de sua soberania contemporânea, ocupada por um rei e uma dinastia alemã que governavam com um conselho regencial de nobres alemães, no que ficou conhecido na Grécia como “bavarocracia”. A imposição de taxas e impostos a serviço dos bancos britânicos e alemães logo se abateu sobre os gregos e, desde essa época, o pagamento dos empréstimos das grandes potências se tornou um fardo insuportável.

O rei Othon, como ficou seu nome helenizado, chegou com 17 anos para assumir o trono, juntamente com 3.500 soldados bávaros, e reinou de 1832 a 1862, quando, após muita insatisfação e revoltas gregas contra esse soberano, que não falava grego e queria germanizar o país, ele foi deposto. A capital também foi, nesse período, transferida de Nafplio para Atenas. Enfrentou também uma rebelião por uma constituição em 1843. Heróis da guerra de independência chegaram a ser presos e o mais importante deles, Kolokotronis, foi condenado à morte, embora a sentença não tenha sido cumprida. O rei foi obrigado a ceder a constituição, a primeira da Grécia, proclamada em 1843 e, desde então, a praça em frente à residência real e sede do Parlamento a partir de 1934, passou a chamar-se “Praça da Constituição”: Plateia Syntagmatos (Πλατεία Συντάγματος).

Católico e casado com uma princesa alemã luterana, sempre distoante do país cristão ortodoxo em que reinava, após um atentado mal-sucedido contra a sua esposa, a rainha Amalia de Oldenburg, e a eclosão de um levante popular em 1862, renunciou e voltou para a Baviera onde foi morrer cinco anos mais tarde.

A nova dinastia escolhida pelas grandes potências, especialmente o Reino Unido, a França e a Rússia, foi então a que reinava na Dinamarca, mas, dessa vez, foi eleita pela Assembleia Nacional Grega, e o jovem príncipe dinamarquês Vilhelm de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg, de 17 anos, foi trazido, em 1864, e governou até 1913, com o nome de rei George I, dos Helenos, sob uma nova constituição que estabeleceu o voto masculino universal para um parlamento (Voulí Βουλή) unicameral.

Em meio à guerra balcânica, em 1913, George I foi assassinado num atentado por um suposto “anarco-socialista” que supostamente se suicidou alguns dias depois se atirando de uma janela num edifício da polícia, onde estava preso.

A incorporação de novas porções ao território nacional se deu ao longo dos séculos XIX e XX. As ilhas jônicas foram cedidas pela Grã-Bretanha em 1863, como presente ao novo rei. O Congresso de Berlim, de 1878, incluiu a Tessália. O Épiro, a Macedônia, Creta e outras ilhas egeias foram incorporadas com o Tratado de Bucarest, de 1913, após as guerras balcânicas. A Trácia ocidental foi cedida pela Bulgária, em 1923, enquanto a Trácia oriental ficou com a Turquia. As ilhas do Dodecaneso (as “doze ilhas”, com Rodes e outras) só foram cedidas pela Itália em 1947. A unificação (Enosis Ένωσις) com Chipre, que foi território britânico até a independência em 1960, também é reivindicada amplamente por cipriotas e gregos e a ilha permanece, desde 1974, com a sua parte norte ocupada pela Turquia, adepta da divisão (taksim, em turco).

Seu filho Constantino, o primeiro rei grego nascido na Grécia, assumiu o trono entre 1913 e 1917, saiu do país e depois retornou entre 1920 e 1922. Os liberais, liderados por Elephterios Venizelos, que era originário da ilha de Creta e se tornara primeiro-ministro, conseguiram isolar o rei que, após sua recusa em alinhar-se com os aliados na Primeira Guerra Mundial, renunciou, em 1917, no que ficou conhecido como o “cisma nacional”, em favor do filho Alexandre que, no entanto, morre, em 1920, de uma infecção causada pela mordida de um macaco.

Ao término da Primeira Guerra Mundial, a Grécia, pelos tratados de Neully (1919) e Sèvres (1920), havia ganhado territórios na região de Smyrna, na Ásia Menor, e tentou ampliar essas conquistas desafiando o governo turco de Mustafa Kemal Ataturk ao atacar Ankara. Nessa guerra Greco-Turca que se seguiu à Primeira Guerra Mundial, quase um milhão e meio de gregos foram expulsos da Ásia Menor de onde “viviam desde os tempos de Homero”[3]. Com a morte do rei Alexandre em meio à guerra, o republicanismo de Venizelos perde as eleições e o plebiscito de 1920 reinstala o rei Constantino no trono. Mas, em meio a essa crise, a Grécia sofre duras derrotas e perde a guerra com a Turquia. O rei Constantino então, em 1922, renunciou uma segunda vez em favor de outro filho, George II. Este tenta um golpe realista, em 1923, mas ao ser derrotado, a Assembleia Nacional proclama a República, em 1924, que, no entanto, dura pouco mais de uma década.

Fascismo e anti-fascismo

Em 1935, o general Georgios Kondylis dá um golpe e faz outro plebiscito, com voto aberto, que reestabelece a monarquia e o próprio rei George II, que volta do exílio. No ano seguinte, o rei se alia com o oficial Ioannis Metaxas, que se torna primeiro-ministro e instala uma ditadura que abole a constituição, fecha o parlamento, proíbe os partidos e decreta uma “terceira civilização grega” que chega a proibir obras de Platão e Tucídides e a promover queima de livros “anti-gregos” aos pés da Acrópole[4].

Em 1941, os alemães, italianos e búlgaros invadem e bombardeiam o país, levando à fuga do rei e do governo, primeiro a Creta e depois a Londres e criam três zonas respectivas de ocupação. Cerca de 8% da população grega morreu durante essa ocupação, ao menos 700 mil pessoas. A fome, a destruição e os fuzilamentos de aldeias inteiras, extermínio de 80% dos judeus (quase 60 mil mortos) foram os resultados da agressão e ocupação nazi-fascista[5] que nunca pagou qualquer tipo de indenização ao povo grego.

Durante a guerra ao nazismo, a Frente de Libertação Nacional (EAM) e o Exército Nacional Popular de Libertação (ELAS), com grande influência dos comunistas, se tornam as principais forças da resistência. Em outubro de 1944, Atenas é libertada pelo ELAS. Para impedir que as guerrilhas comunistas tomassem o poder, o exército britânico invade Atenas para combatê-la e reinstalar o rei no país sob o comando pessoal de Churchill, que escapa de um atentado num hotel em Atenas[6]. A partir desse momento, a guerra civil (Emfílios pólemos Eμφύλιος πόλεμος) irrompe entre 1944 e 1949[7].

Em 1946, o rei George II retorna ao país após um novo plebiscito decidir manter-lhe a coroa, mas morre um ano depois e a coroa vai para seu irmão, o rei Paulo. O ELAS mantém controle de zonas mais interiores do país, mas, com a retirada do apoio na retaguarda da Iugoslávia e Albânia e a sua política de abstenção nas eleições de 1946, perdem terreno. A posição da URSS é decisiva, pois Stálin havia negociado nos acordos de Yalta e Potsdam que a Grécia ficaria sob o controle britânico e estadunidense na proporção de 90%[8].

Após a guerra civil, um regime monárquico com participação de ex-funcionários da ditadura Metaxas e até de ex-colaboracionistas com o nazismo se instala. Apenas em 1952 o voto feminino foi aprovado. A partir de 1955, Constantino Karamanlis, um deputado conservador eleito em 1936, vence as eleições três vezes seguidas até brigar com o rei e deixar o governo em 1963, quando também ocorre a crise do assassinato do deputado de esquerda Georgios Lambrakis.

A União de Centro, de Georgios Papandreous, vence as eleições de 1963 e Karamanlis passa a conspirar pelo golpe de estado, que só vai ocorrer em 1967, quando começa a “ditadura dos coronéis”, que irá até 1974, com uma junta militar comandada por Georgios Papadopoulos.

Em 1973, a monarquia é abolida pelo regime militar e, em julho do ano seguinte, ajudam um golpe militar em Chipre contra o governo do Arcebispo Makarios que, por sua vez, desencadeia uma invasão turca, que até hoje mantém esse país dividido. Por esse motivo, a Grécia se retira da OTAN, ao final de 1974, só retornando em 1980.

Acontece, então, uma brutal repressão com tanques ao levante estudantil da escola Politécnica em 17 de novembro de 1973, quando após ocuparem a faculdade para defender colegas processados, os estudantes constroem uma rádio livre e começam a transmitir para toda a cidade seus chamados contra o regime. Ao menos 24 estudantes são assassinados, o que a junta militar nunca reconheceu, mas isso, juntamente com a crise cipriota enfraquece o regime que é substituído nas primeiras eleições legislativas em dez anos, em 1974, pelo mesmo Constantino Karamanlis, no partido Nova Democracia. Começou então a transição do regime, chamada em grego de metapolitefsi (Μεταπολίτευση). Uma espécie de “abertura controlada” que consegue evitar uma ruptura, num processo paralelo ao “pacto de Moncloa” levado a cabo na transição espanhola na mesma ocasião. Um referendo no mesmo ano confirma por maioria de dois terços o fim da monarquia.

A social-democracia no poder

Em 1981, os social-democratas do PASOK, partido fundado em 1974, por Andreas Papandreou, vencem as eleições no mesmo ano em que Mitterrand ganhava as eleições francesas. A Grécia, conduzida pelos “socialistas” entra na União Europeia em 1981, e se integra ao euro, em 2001. A partir de então, os dois principais partidos, controlados respectivamente pelas oligarquias familiares dos Papandreou e dos Karamanlis, adotam políticas semelhantes.

A Grécia passou de uma nacionalidade dominada pelo império otomano, para um país independente sob as tutelas britânica, russa e francesa por meio de um rei alemão odiado. Incorporou-se como um país semi-periférico nas margens orientais da Europa, com um regime monárquico absolutista e, depois, outro mais parlamentar, mediado por três repúblicas: uma primeira efêmera, logo na independência, uma segunda de pouco mais de uma década, entre 1924 e 1935, e a atual, desde 1973, nascida do ocaso de um regime militar. Os empréstimos ocidentais foram um mecanismo para extrair rendas financeiras desde o primeiro governo independente, mas já devedor dos bancos britânicos. A dominação imperial foi tão explícita que até os reis foram germânicos: bávaro e dinamarquês. A Grécia já foi invadida por turcos, russos, britânicos, franceses, italianos, búlgaros e alemães. Na segunda guerra, além de todo o massacre, a Grécia foi obrigada a pagar à Alemanha pela ocupação além de ter sido pilhada.

De volta à OTAN, integrada à moeda única e à União Europeia, a Grécia passou a ser governada pelas determinações da chamada Troika: Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI e se dedicou a aplicar, tanto pelos governos do PASOK como pelos da Nova Democracia, um programa de submissão aos interesses financeiros, de destruição do estado social, de privatizações e de “austeridade” que levaram a uma brutal crise econômica e social, com desemprego, recessão, confisco de moradias hipotecadas e cortes de aposentadorias e de programas sociais. Esse processo levou, a partir de 2008, a uma enorme onda de mobilizações sociais que após dezenas de greves gerais, ocupação da praça em frente ao Parlamento e enormes manifestações elegeu, finalmente, em janeiro de 2015, a frente de esquerda chamada Coalizão da Esquerda Radical, conhecida como SYRIZA pelas sílabas iniciais do seu nome em grego: Synaspismós Rizospastikís Aristerás (Συνασπισμός Ριζοσπαστικής Αριστεράς), para governar o país, abrindo uma enorme expectativa sobre qual será a política deste governo e suas consequências para a Europa.


[1] Eric J. Hobsbawm, A Era das Revoluções 1789-1848, 4ª ed., RJ, Paz e Terra, 1992, p. 134.

[2]  Carlos Daniel de Castilhos, “A Casa de Bragança e a Coroa Grega: uma cartada nas relações internacionais da Grécia revolucionária em 1822”, XIV Encontro Regional da Anpuh-RJ, 2010, http://bit.ly/17Ep5Z1 

[3] Eric J. Hobsbawm, Nações a nacionalismo desde 1780, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1990, p. 162.

[4] Marina Petrakis, The Metaxas Myth. Dictatorship and Propaganda in Greece, Londres, Tauris, 2006.

[5] S. Petmezas, Histoy of Modern Greece, consultada em: http://www.hellenism.net/greece_history.pdf

[6] Uma tonelada de explosivos foi colocada no Hotel Grande Bretagne em 1944, mas a ordem de detonar não foi dada: http://www.bit.ly/1zGhUaW

[7] Uma análise de um trotskista grego sobre esse período pode ser lida em: Loukas Karliaftis. Stalinism and Trotskyism in Greece (1924-1949). Revolutionary History, v. 3, n. 3, 1991. Disponível em: http://www.bit.ly/1DDYidk

[8] Esse acordo entre Churchill e Stálin foi registrado num famoso guardanapo: https://images.nationalarchives.gov.uk/assetbank-nationalarchives/action/viewFullSizedImage?id=30941&size=800

ekis.291@mailxu.com